azul paraconcreto ou angústia do cinza

há mais azul que o necessário para o cinza. e ainda ao azul o cinza é necessário. quando se criou o mundo, fez-se azul. poeira estelar de azul tão profundo que figurava noções de antimatéria do não descoberto. azul só se soube azul quando sol e então era o céu. tão longe, tão azul e tão perto. renascidos destas azuis escritas, pó e cinzas das gerações em chamas. infinito azul galáxia, espaço aberto que o sol no azul esvazia. matéria de dentro é azul. matéria de olho projeta luz. ausência não é falta de existência. falta para a falta de quem a saiba essência. olho do azul no sol do olho preenche de azul coisas sem dia, mesmo que o azul da noite. matéria de saber-se é ser azulado. perceber-se no azul percebido por outro. azulada existência. ausência é azul em movimento. ali o azul, partiu. se nada existir, resistiremos no azul. do azul se dirá que se deu à luz. entre luz e azul, o nascimento das coincidências. nada resiste ao azul. sorrir no azul, dor no azul, amanhecer no azul. azul é diferença para existência. azul poderia ser amarelo, vermelho, rosa, branco, preto, marrom, roxo, verde e cinza. pele e voo. também palavra. azul espia e grita. azul agigantando azul. azul degenerando azul. azul decaindo azul. azul do verbo azul. az…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s