fane goza estar

me aconteci de tentativas

como parida de hoje na ousadia de estar

a vida corre pele fora adentro

o avesso também é pele

não é assim que se sabe o coração?

tocado de propriedades de tambor

outra pele batida

de qual lado o texto?

palavra fisga querer

anzol em fruir deixar-me

guia até os dentes na linha

cortarem tão diferente da minha

criança de envelhecer onde não é idade

blasfêmia

poeira no olho

aguaceiro sal e doce

quanto e tanto ardem

o seco no cantil e a guaiaca da fome

pisco entre as estrelas

infinito espaço em limitado traço

não multiplica pão nem fonte água potável

milagre a andar ereta

perigo sobre duas patas

desconfiada de um narrador

a despertar ou onisciente?

e o que desse buchinho tão lindo?

carmim na lama

derrama consequências

até de (não) filho ser molde forjessência

reminiscência do barro

ah o tempo

escultor sem talhe

antes das memórias até depois nos vamos dizendo

a cabeça no teto

o pássaro na árvore

limite é carne e gaiola cimento?

Anúncios

Um comentário sobre “fane goza estar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s